Esses dados escancaram a homofobia contra os afeminados e a misoginia

afeminados

Uma pesquisa realizada pela revista inglesa Attitude mostrou que todo mundo já sabe, mas ignora: os gays afeminados sofrem preconceito dentro da própria comunidade LGBT.

Ao todo, foram entrevistados, agora em outubro, cinco mil leitores da revista. E mais da metade expressaram algum tipo de preconceito contra os afeminados.

Dados

  • 71% disseram que não sentem atração por homens que possuam características femininas;
  • Somente 29% dizem que veem as características femininas como algo positivo em um homem;
  • 41% afirmam que os gays afeminados mancham a imagem da comunidade;
  • Outros 41% alegam que se sentem menos homem por causa da sua sexualidade.

A revista classifica os resultados como uma crise de masculinidade entre os gays e linka com as discussões atuais sobre as novas formas de “ser” homem.

Cantor Liniker, um dos ativistas contra a ideologia de gêneros

Apesar de os dados representarem basicamente a cultura britânica, é impossível fechar os olhos e fingir que o mesmo não acontece no Brasil.

Mesmo tendo privilégios por serem homens, os gays afeminados sofrem duplo preconceito: a homofobia e, de certa forma, são impactados pela misoginia, já que a mulher é vista como um ser inferior e apresentar características consideradas femininas é algo frustante.